Casamento feliz? Foi Maluf que fez

Do Estadão

Os conselhos amorosos de Paulo Maluf

por Jair Stangler

O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) foi um dos convidados do programa de Ronnie Von na TV Gazeta que foi ao ar na noite da quarta-feira, 27. O outro convidado foi o apresentador Max Fivelinha. Os dois participaram do quadro Conselheiro Sentimental.

Maluf falou, entre outras coisas, sobre como era o namoro na sua época. Segundo ele, quando era jovem, “namoro era uma coisa mais séria, para casar”. Por isso, explica, havia naquele tempo, a “casa civil” e a “casa militar”. Para ele, as coisas evoluíram desde então.

A uma telespectadora que contou estar há 23 anos com seu marido e disse já ter tentado se separar três vezes, Maluf disse já estar casado há 56 anos com a mesma mulher e ensinou que o casamento “é uma união em que você tem que ter maleabilidade. Você tem que ceder em algumas coisas que não são tão importantes.” E ainda fez graça: “Minha mulher diz o seguinte: mudar de marido, é mudar de defeito.” E termina com o conselho: “Tenta a quarta vez e não briga de novo.”

Nesse primeiro caso, os dois convidados concordaram. Quanto ao segundo caso, uma telespectadora que disse não amar mais o marido, os dois discordaram. Max afirmou que o casamento da telespectadora já devia ter acabado há tempo, enquanto Maluf defendeu que os dois continuassem tentando, embora visse como “defeito” que o marido da história não quisesse ter filhos.

Max Fivelinha defendeu o direito de uma mulher, citada por um telespectador, “olhar para o lado”. Ao mesmo telespectador, Maluf disse que “o ciúme é uma forma de amor”. A um jovem que acha que nunca vai ter namorada, Maluf ensina: “vá para as baladas”. Já Max Fivelinha raciocina: “se ele realmente gosta de mulher, um dia ele vai arrumar uma namorada”.

Anúncios

Sobre Diego Moura

Jornalista com experiência em comunicação corporativa na área de mineração e assessoria de imprensa em organização pública. Um dos autores do livro-reportagem "Não foram apenas as unhas - As mulheres no inferno da ditadura". Atualmente, tem interesse em trabalhos em redação e cobertura jornalística. É autor do blog "Textos para pensar".
Esse post foi publicado em Cotidiano, Cultura, Mídia, Política e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s