Trilha proibida tem 74 resgates em 1 ano

Do Estadão

Trilha proibida tem 74 resgates em 1 ano

Completar os 28 km da rota indígena entre SP e Itanhaém tornou-se um desafio

Completar os 28 km de uma antiga rota indígena entre Itanhaém, no litoral, e Marsilac, no extremo sul da capital paulista, pelo meio da Serra do Mar tornou-se “troféu” para grupos de trekking de todo o País – mesmo com visitação proibida pela direção do Parque da Serra do Mar. Sem sinalização, a trilha guarda algumas más lembranças para as 74 pessoas resgatadas no caminho desde abril de 2010.

Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE
Coradi. ‘Tem hora que a trilha tem até seis saídas’

Os penhascos de 20 metros de altura e a mata totalmente fechada têm confundido até os mais experimentados montanhistas. No dia 9, o Corpo de Bombeiros localizou seis pessoas que ficaram 52 horas perdidas. Todas estavam com cordas, mapas, barracas e GPS. O tempo que eles passaram sem contato, porém, foi pouco perto dos sete dias e meio que um grupo de Indaiatuba teve de enfrentar no fim de julho.

Os cinco moradores do interior faziam trilhas há duas décadas. Eles sabiam que o percurso era proibido, mas resolveram confiar nos mapas e no guia por satélite. “Eu moro aqui há 24 anos e fiz a trilha várias vezes”, afirma o ambientalista Erley Coradi, de 54 anos, morador de Marsilac. “Mas, na Páscoa do ano passado, fui com um grupo de 28 pessoas e iríamos esticar até Mongaguá. Um índio nos guiaria a partir do meio do caminho. Só que depois de duas horas o índio confessou que estava perdido. Ficamos três dias na mata até o helicóptero da PM nos encontrar.”

Coradi reforça que a trilha não é turística. Como existe lei federal que proíbe as pessoas de andarem ao lado da malha ferroviária e 8 km da trilha são ao longo de uma linha de trem com movimento de cargas, nenhuma operadora de turismo faz o passeio. O ambientalista ressalta as dificuldades das dez horas da trilha, como “as formigas que sobem nas pernas durante a caminhada”.

GPS. Ele também garante que o GPS não funciona no meio da mata. “E tem hora que a trilha tem bifurcações com até seis saídas. Não adianta ter mapa”, diz Coradi. “Quando estávamos perdidos no ano passado, ficamos parados em uma clareira da mata. Tinha uma garota com as costelas quebradas, não podíamos sair do lugar. A sorte foi que encontramos as lonas deixadas por alguns palmiteiros e ficamos cobertos.”

Os relatos de pessoas que se perderam na trilha e conseguiram voltar sem resgate também são inúmeros nas redes sociais da internet. “Andamos duas horas pelo meio dos túneis da linha do trem, até que vimos uns três homens cortando uma carcaça de Kombi com machados. Ficamos assustados e voltamos”, recorda o goiano Hélio Luzzi, de 34 anos.

“Como o curso do Rio Capivari é muito sinuoso e não segue um caminho reto até o litoral, mesmo que você fique perdido e tente seguir o rio não adianta. Ele corre pelo meio da mata fechada até a cidade de Cubatão”, fala o comerciante de Parelheiros José Francisco Cardoso, de 46 anos, que fez três vezes a trilha.

Para quem conseguiu atravessar São Paulo até o litoral pelo meio da Mata Atlântica, ficaram as boas recordações. São oito cachoeiras no caminho e a possibilidade de dar mergulhos nas águas cristalinas do Rio Capivari. “Os mirantes a 400 metros de altura com a vista do mar são incríveis”, garante o jipeiro Jorge Sampaio, de 29 anos, que fez a trilha em fevereiro. “Mas é para fazer uma vez na vida e só.”

Precaução 
Para quem vai fazer uma trilha longa, é bom deixar o mapa da rota planejada com alguém de confiança. Se até certo horário o grupo não ligar, o mapa deve ser entregue ao Corpo de Bombeiros. 

Anúncios

Sobre Diego Moura

Jornalista com experiência em comunicação corporativa na área de mineração e assessoria de imprensa em organização pública. Um dos autores do livro-reportagem "Não foram apenas as unhas - As mulheres no inferno da ditadura". Atualmente, tem interesse em trabalhos em redação e cobertura jornalística. É autor do blog "Textos para pensar".
Esse post foi publicado em Esportes, Jornalismo, Mídia e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s