EUA exigem do Twitter detalhes sobre colaboradores do WikiLeaks

Da BBC Brasil

O governo dos Estados Unidos obteve uma liminar na Justiça que exige da rede social Twitter detalhes sobre pessoas envolvidas com o site Wikileaks, segundo documentos oficiais.

O tribunal regional de Virginia disse ter pedido informações que incluem nome de usuários, endereços, histórico de conexões, números de telefone e detalhes de pagamento.

Entre os investigados estão o fundador do Wikileaks Julian Assange e a deputada Birgitta Jónsdóttir da Islândia.

Os Estados Unidos estudam entrar com um processo contra Assange por causa do vazamento de 250 mil documentos diplomáticos considerados secretos.

Acredita-se que o Departamento de Justiça americano pode vir a indiciá-lo por acusações de conspiração para roubar documentos ao lado do militar Bradley Manning, um analista de inteligência do Exército americano.

Manning vai ser julgado em Corte Marcial e pode passar até 52 anos na cadeia por supostamente ter enviado os documentos diplomáticos ao Wikileaks, bem como relatos militares de incidentes no Afeganistão e no Iraque e de um vídeo militar confidencial.

‘Informações relevantes’

De acordo com o documento emitido pelo tribunal de Virginia em 14 de dezembro, a promotoria-geral americana teria apresentado indícios de que as informações sob posse do Twitter são “relevantes e importantes para uma investigação criminal em andamento”.

Agora, o site baseado em San Francisco tem três dias para apresentar a sua resposta e inicialmente teria sido instruído a não divulgar o fato de que a liminar tinha sido apresentada nem a existência da investigação.

No entanto, o mesmo tribunal americano teria derrubado as restrições na quarta-feira, autorizando o Twitter a informar os seus clientes sobre o caso.

Além dos já citados Assange, Manning e Jónsdóttir, a liminar exige informações sobre o hacker holandês Rop Gonggrijp e o programador americano Jacob Appelbaum, que já colaboraram com o Wikileaks.

Entre os dados pedidos estão endereços de email, detalhes de pagamento e conexões, além de horários de utilização, endereços IP usados para acessar o Twitter.

Assange criticou a decisão no sábado classificando-a de intimidação.

“Se o governo do Irã tentasse obter essa informação coercitivamente de jornalistas ou ativistas de países estrangeiros, grupos de direitos humanos de todo o mundo se pronunciariam”, disse.

Ele afirmou também que a liminar só veio à tona “graças a ação legal do Twitter”.

O site americano não confirmou nem desmentiu a informação.

Anúncios

Sobre Diego Moura

Jornalista com experiência em comunicação corporativa na área de mineração e assessoria de imprensa em organização pública. Um dos autores do livro-reportagem "Não foram apenas as unhas - As mulheres no inferno da ditadura". Atualmente, tem interesse em trabalhos em redação e cobertura jornalística. É autor do blog "Textos para pensar".
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s