Enterrado vivo

[O vídeo do post era pra ter ficado melhor, porém o programa de edição não colaborou]

Gente se espremendo para conseguir chegar em casa. É a rotina do paulistano. Devem estar pensando: “putz, que cara chato, não sabe falar de outra coisa, só transporte”. Aproveitei sugestão do amigo e leitor Marcelo Albuquerque e da barbárie da qual, involuntariamente, participei: entrar no trem que faz a linha Osasco-Grajaú às 18h30 de hoje. O vídeo não contempla tudo o que vi. Pessoas se espremendo para caber no trem, empurrando uns aos outros de forma brutal, animalesca. E tenho consciência de que isso não é o pior: tem gente enfrentando animalidades maiores por ai. Mas, hoje, fui enterrado vivo no meio da multidão naquele trem.

As eleições já estão, segundo as pesquisas, praticamente definidas. Quem estava aí, até agora, não fez quase nada pra amenizar a situação dos transportes (e o pouco feito é insuficiente). E quem está por vir, tampouco se preocupará, qualquer que seja a legenda, afinal de contas, essa corja tem helicóptero. Pra que se espremer, não?

Vejam os vídeos abaixo. O primeiro é de minha autoria. Os na sequência são flagrantes piores.

Nesse, algumas pessoas paracem gostar do perigo e da falta de trens. Acham que é um Hopi Hari às margens do Rio Pinheiros.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=S-5SFIE48VI&feature=related}

Anúncios

Sobre Diego Moura

Jornalista com experiência em comunicação corporativa na área de mineração e assessoria de imprensa em organização pública. Um dos autores do livro-reportagem "Não foram apenas as unhas - As mulheres no inferno da ditadura". Atualmente, tem interesse em trabalhos em redação e cobertura jornalística. É autor do blog "Textos para pensar".
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Enterrado vivo

  1. Luiz Nascimento disse:

    Hoje, tive que pegar o trem aqui em Pirituba, logo cedo. A linha Rubí estava funcionando pela metade, entre Jaraguá e Perus os trens estavam parados, por problemas elétricos. Os trens estavam passando em um intervalo de 30 minutos, várias pessoas lotando ônibus e mais ônibus de Perus até Pirituba pra poder pegar o trem. Depois, até a Barra Funda, fomos espremidos como dava, ou melhor, como não dava…

    Hoje estava muitíssimo complicado…

    • Disimo disse:

      Pois é, eu consegui entrar no que ia só até a estação Jurubatuba, e não até a Grajaú. Conversei com um moça deficiente. Ela disse que aqueles inferno é reproduzido todo dia e que, por ela ter dificuldades de locomoção, o desrespeito é muito grande. Hoje e sempre estará complicado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s