Admirável mundo novo?

Há pouco postei sobre matéria publicada na Folha que fala a respeito de uma peça teatral feita sem atores presentes. Explico: as imagens em 3D de apenas dois atores formavam diversos rostos flutuantes à frente de um fundo negro (nem palco havia). Seria isso considerado teatro? O diretor da “peça” diz que sim.

Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley

Coincidentemente, hoje, terminei de ler a obra Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. Um livro excepcional. Em meio a diversas citações de Shakespeare, a história se passa em uma sociedade humana no futuro, em que Deus foi substituído por Ford (do “fordismo”- produção em série). Nesse “novo mundo”, não há doenças, tristezas ou desapontamentos. Por meio de avançadas técnicas científicas, o envelhecimento foi vencido, e a morte é agradabilíssima. Não há famílias (pai e mãe são consideradas palavras obscenas e engraçadas) e o Estado “produz” seres humanos, condicionando-os de acordo com as funções que exercerão no sistema. As castas vão de Alfa-mais, o topo social, a Ýpsilon, a base da pirâmide social. Livros e outras formas de arte não fazem parte do cotidiano social, mas sim, perfumes, músicas “sintéticas”, cinemas sensíveis e uma enorme quantidade de esportes tecnológicos. A base social é a estabilidade e o consumo. Vê-se muito da crítica ao sistema da época em que o livro foi publicado (1930, um ano após a quebra da Bolsa de Nova Iorque), contudo se levarmos em conta inúmeros aspectos tratados nos livros, a atualidade impressiona e faz pensar, principalmente os conceitos da moralidade vigente no meio social. Tudo vai bem, até que alguns acontecimentos ameaçam por em risco a tão cultuada estabilidade (“toda mudança é perigosa”). Será que esse mundo novo é realmente admirável?

A substituição daquilo que é humano, físico pelo sintético seria necessariamente benéfica às pessoas? Será que vale a pena substituir os atores de uma peçapor meras representações geradas por uma máquina? Não se estariaindo longe demais? São boas intenções, dizem. Mas, delas, o inferno está cheio.

Anúncios

Sobre Diego Moura

Jornalista com experiência em comunicação corporativa na área de mineração e assessoria de imprensa em organização pública. Um dos autores do livro-reportagem "Não foram apenas as unhas - As mulheres no inferno da ditadura". Atualmente, tem interesse em trabalhos em redação e cobertura jornalística. É autor do blog "Textos para pensar".
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

6 respostas para Admirável mundo novo?

  1. Toni disse:

    Belo texto! Qual será o limite do nosso mundo novo?

    • Disimo disse:

      Acho que aquele negócio de “o céu é o limite” cresceu demais. Agora, “corporações são o limite”; “política corrupta é o limite”. Tenho até medo de saber o que virá…

  2. Fabiana disse:

    O teatro e a vida são feitos por pessoas de verdade. Onde estão essas pessoas?

  3. Fabiana disse:

    aahh, vc me passou seu blog no jogatina..rsrs eu disse que vinha conferir, gostei!

  4. Geraldo Corrêa de Bittencourt disse:

    Sem livros, sem raciocínio, sem ambição. E todos receberão a sua cota o seu quinhão proporcionado pelo Estado o nosso amigão. E com a exclusão do desejo o povo será feliz
    e oficializamos o nosso “somma” Cachaça com aniz. Mas alguém que não é poeta ainda consegue raciocinar. com esse calor tropical quem vai trabalhar. E nosso Aldous Guarani solícito responde: Todos irão trabalhar um mês por ano. Uai e como ficam as férias? Arrrs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s